Os melhores negócios para abrir em 2018

LEITURA DE 10 MIN

Procurando negócios promissores para abrir neste ano, mas não sabe por onde começar? Que tal dar uma olhada no que os estudos mostram? O Sebrae fez uma pesquisa longa e aprofundada mostrando quais são os melhores setores para abrir uma empresa em 2018. Há duas boas notícias: as áreas são das mais variadas, e muitos dos melhores negócios demandam baixos investimentos e podem ser criados até mesmo em cidades pequenas.

O relatório “Os Negócios Promissores em 2018”, apresentado pelo Sebrae em março, é focado principalmente nas Micro e Pequenas Empresas. O estudo é super aprofundado e leva em conta o histórico econômico do país e as projeções para o futuro — com base em instituições respeitadas, como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Central do Brasil (Bacen).

Caso você queira ler o estudo completo, ele está disponível neste link. Mas, relaxe. Nós separamos o mais importante do estudo para você aqui. Portanto, pegue um tempo e leia tudo com calma.

Quais são os tipos de negócios promissores para abrir

De acordo com o Sebrae, levando em conta tanto o cenário do Brasil quanto do mundo, estes são os melhores setores para abrir um negócio em 2018:

Alimentos e bebidas

Aqui vale desde lanchonetes a carrinhos de cachorro quente, passando por fornecimento de alimentos prontos (como sanduíches naturais ou massas artesanais), bares, confeitaria, entre outros.

Vestuário e calçados

O setor abrange desde costureiras e sapateiros a lojistas dispostos a investir em confecção sob medida, varejo tradicional ou até mesmo atacadistas. Inclusive, para aproveitar este setor, vale comprar roupas em atacadistas. Aqui temos uma lista dos melhores lugares para comprar roupas baratas no Brasil inteiro. Confira!

Construção

Pequenas reformas (obras de alvenaria), instalação e manutenção elétrica, venda de materiais de construção, pintura, marcenaria, serralheria e quaisquer outros serviços bons para quem quer colocar a mão na massa.

Saúde

Tornar-se corretor de planos de previdência e de saúde, massagista, fisioterapeuta ou personal trainer; especializar-se em serviço diagnóstico por imagem; prestar serviços veterinários; estudar enfermagem ou cuidar de idosos são algumas das principais opções para quem quiser entrar no mercado.

Educação

Apesar da redução dos investimentos de diversos governos do Brasil no setor, ele ainda cresce bastante. Aqui há oportunidades para se especializar em educação infantil, treinamento profissional ou gerencial, fazer transporte escolar ou ensinar esportes.

Serviços pessoais

Embora o nome seja muito abrangente, o Sebrae se refere principalmente aos voltados a estética, como cabeleireiros, manicues e pedicures, comércio de cosmético, depilação, entre outros.

Serviços especializados

Podem ser desde os automotivos aos mais artísticos, como transporte de carga, táxi, lavagem de veículos, funilaria, mecânica, entrega rápida, fotografia, design ou contabilidade.

Vendas

Pode ser desde marketing direto a representação comercial, passando por promoção de vendas ou fabricação de letreiros e placas. Inclusive, uma opção interessante é revender maquininhas SumUp. Veja aqui como se tornar consultor.

Comunicação e Computação

Aqui entram os prestadores de serviço de marketing e comunicação, desenvolvedores de softwares e sites ou qualquer outra pessoa relacionada a comunicação digital ou serviços de desenvolvimento de tecnologia;

Informática

Nesse setor estão principalmente os profissionais relacionados ao comércio de equipamentos de informática, além dos especializados em manutenção e reparos.

Entretenimento

Pessoas que trabalham em casas de festas, organizam eventos, ajudam a fazer feiras, congressos, exposições e afins.

Lojas de conveniência

Tanto no varejo quanto no atacado, elas ainda são um bom negócio para os anos de recuperação econômica que se espera do Brasil.

Como a economia pode impactar os pequenos negócios daqui para frente

Recuperação econômica será lenta

De acordo com o Banco Central, a economia brasileira deve seguir, até 2021, um ritmo de recuperação econômica — será um pouco mais lento do que no resto do mundo, mas ao menos será positivo, em torno de 2,5% a 2,8% ao ano. Isso significa que os próximos anos serão mais seguros para empreender, mas o Brasil ainda será um maior do que foi nos anos anteriores. Ninguém disse que seria fácil, certo? Por isso, vale dar uma olhada nestes cursos online e gratuitos para te ajudar.

Formalizar MEI continuará muito importante

Além disso, o Sebrae destaca a velocidade que novos negócios estão se formalizando, principalmente MEI. Entre 2014 e 2017 foram criados, em média, aproximadamente 1 milhão de microempresas individuais (MEI). O ritmo, no entanto, está mais relacionado à necessidade de formalizar o negócio do que a melhoras econômicas.

Há três fatores específicos que ajudam a formalização: é barato criar e manter um MEI; é relativamente pouco burocrático; e há muitas pessoas ainda na informalidade. Por isso, a tendência é que o ritmo de criação de MEIs continue acelerado.

Caso o seu negócio ainda não esteja formulado, é muito importante abrir oficialmente uma empresa, mesmo que seja um MEI. Se você não sabe como fazer, confira aqui nosso guia com o passo a passo de como formalizar MEI.

Melhor rendimento ajuda a aumentar as vendas

Uma ótima notícia para empreendedores é que, aos poucos, o brasileiro está tendo aumento real de seu rendimento e, consequentemente, de seu poder de consumo. Nos últimos três meses de 2017, o crescimento chegou a 2,8%.

O crescimento significa uma ótima oportunidade para negócios. Segundo o Sebrae, empresas de vendas de produtos alimentares, roupas, calçados e que ofereçam pequenas reformas e serviços pessoais podem crescer bastante. Inicialmente, serviços de valores menores terão mais chances, mas no longo prazo os mais caros também poderão crescer — porém os consumidores estarão mais exigentes do que nunca.

Taxas de juro serão menores

Segundo o Sebrae, a expectativa é que a taxa Selic caia para 6,75% ao ano até dezembro de 2018. Nesse contexto, empresas inadimplentes terão melhores condições de negociar suas dívidas. Também será um melhor momento para conseguir empréstimos.

Oura vantagem é que a queda dos juros ajudam a retomar investimentos com foco em modernização dos negócios, principalmente relacionados a compras de equipamentos tecnológicos. Quem vende bens duráveis, como veículos, também poderão ter melhorias no mercado.

Equipe Dono do Negócio

O Dono do Negócio é um blog feito pela SumUp para te ajudar a vender melhor.