13 dicas para cuidar da saúde mental na quarentena

Descubra quais pequenas atitudes no dia a dia podem te ajudar a enfrentar o isolamento social
6 de abril de 2020LEITURA DE 18 MIN

A pandemia do novo coronavírus trouxe um desafio para o mundo todo: o isolamento social. A medida é uma das mais importantes para que as pessoas não se contaminem com o COVID-19 nem espalhem a doença. E para que a falta de contato físico com outras pessoas e a impossibilidade de sair de casa não se torne ainda mais difícil do que é, cuidar da saúde mental na quarentena é essencial. 

Em meio a tantas informações e incertezas – principalmente para aqueles que se preocupam com suas fontes de renda – podemos facilmente nos esquecer que estamos vivendo uma situação difícil, porém, temporária. Devemos lembrar também que cada esforço individual terá consequência para o bem-estar coletivo. Quando você pode ficar em casa e realmente faz isso, está evitando não apenas o seu contágio, mas também a possibilidade de transmitir o vírus para o chamado grupo de risco, como os idosos e pessoas que têm doenças preexistentes.

Segundo o departamento de Saúde Mental da Organização Mundial da Saúde (OMS), além das incertezas sobre o vírus e a obrigação do isolamento social, o risco de contaminação também está na lista de motivos que podem agravar ou gerar problemas mentais. Por isso é importante não minimizar o que você está sentindo durante essa pandemia, adotar algumas medidas no dia a dia que podem deixar a sua mente mais saudável e aliviar um pouco do estresse que a situação atual pode gerar. Vamos juntos?

Confira 13 dicas para cuidar da saúde mental na quarentena:

1. Mantenha contato virtual com amigos e familiares

Uma das primeiras dicas da OMS para as pessoas que estão em isolamento é manter o contato com a sua rede de amigos, familiares e conhecidos. Se as autoridades de saúde recomendaram a distância física como forma de conter o surto do novo coronavírus, use as tecnologias a seu favor. E-mail, redes sociais e o telefone são soluções simples para checar como vai aquele colega de trabalho, falar com a família ou até mesmo marcar um encontro virtual com um grupo de amigos. 

Além de escrever e ligar, as videochamadas são ideais para quem quer matar a saudade ou se manter tão presente fisicamente quanto é possível em meio a uma quarentena e ao isolamento social em massa. Aplicativos de mensagem como WhatsApp e outras plataformas especializadas em ligações de vídeo, como o Google Hangouts, podem ser usadas de graça por mais de duas pessoas em cada chamada.

2. Não se cobre tanta produtividade

Isso vale tanto para quem está trabalhando de casa quanto para quem está totalmente parado por causa da pandemia do novo coronavírus. Não se cobre tanto para ser produtivo e não tente resolver várias coisas ao mesmo tempo. Situações como a do trabalho remoto podem aumentar a autocobrança e a necessidade de produzir mais até mesmo do que seria o normal caso as atividades ainda estivessem no escritório. Levante da cadeira com frequência, estique o seu corpo, se hidrate. 

Aqueles que não estão trabalhando, mas seguem em isolamento social dentro de casa, também podem sentir culpa em momentos nos quais não fazem nada. Vivemos um pandemia mundial que atinge a todos, não se cobre tanto e se permita ficar à toa ou fazer atividades prazerosas que nem sempre são vistas como produtivas, como ler um livro, ver um filme e ouvir música. Lembre-se que está tudo bem não estar bem, e que não é saudável tentar eliminar todos os trabalhos domésticos ou pendências pessoais de uma vez só. 

3. Desacelere o ritmo de leitura de notícias sobre o coronavírus

A Organização Mundial da Saúde também chama atenção para a enxurrada de informações que está caindo em cima de todos nós a cada minuto. É preciso se manter informado sobre a COVID-19, mas consumir apenas notícias relacionadas ao novo vírus pode trazer mais ansiedade sobre o momento. Tente acessar outras informações sobre temas que você gosta ou que costumava acompanhar antes da pandemia. 

Redes sociais e aplicativos de mensagens como o WhatsApp também podem ser perigosos quando usados sem responsabilidade. Afinal, assim como ter equilíbrio na quantidade de informações, a qualidade também é importante. Procure usar canais oficiais do governo, por exemplo, e acompanhar jornais confiáveis para saber o que está acontecendo durante a pandemia do novo coronavírus.

Por fim, não espalhe notícias falsas ou aquelas que você não conhece a fonte da informação. Muitas delas podem apenas atrapalhar as tentativas em massa que todos estamos fazendo para interromper a rápida disseminação do vírus e ainda trazer mais ansiedade para você. “A enxurrada de notícias sobre um surto pode levar qualquer pessoa à preocupação. Informe-se com os fatos e não com os boatos ou as informações erradas”, afirma a OMS.

4. Lembre-se de passar por um dia de cada vez

Situações como a quarentena e o isolamento social podem trazer muita ansiedade para qualquer pessoa – com ou sem a preexistência do transtorno. Os fatos de não sabermos quando tudo vai melhorar ou quando poderemos voltar a abraçar e a sair com as pessoas que amamos também podem intensificar os sintomas de ansiedade. Por isso, lembre-se, sempre que possível, que é importante passar por um dia de cada vez. Foque no que está vivendo hoje para não deixar a incerteza sobre o futuro dominar seus pensamentos.

5. Sempre que puder, pare e tire alguns minutos para respirar

Independentemente do que estiver fazendo, lembre-se de tirar alguns minutos para respirar fundo e se desligar de qualquer atividade. Ainda que você diminua o número de informações que recebe, a cabeça pode continuar trabalhando com pensamentos sobre a situação que vivemos com o novo vírus. Se puder, faça pausas para ir até a janela da sua casa, olhe a rua, procure por áreas verdes quando possível, lembre-se que a vida lá fora não vai deixar de existir e que a quarentena é temporária. 

6. Mantenha uma rotina

Pode até parecer meio bobo, mas dentro de casa também é importante estabelecer e manter uma rotina sempre que possível. As tarefas regulares podem ajudar a deixar o dia a dia mais leve. Crie novas rotinas também, com novos hábitos. Se você nunca praticou meditação ou ioga, por exemplo, por que não tirar alguns minutinhos do seu dia durante a semana para começar? Uma rotina saudável deve incluir uma alimentação balanceada, exercícios físicos e, claro, boas noites de sono. 

7. Cuide do corpo como forma de cuidar da saúde mental

Por falar em atividades físicas e alimentação, cuidar da saúde mental na quarentena é também pensar no seu corpo. Em meio à pandemia, existem muitas opções online de exercício em casa, sem precisar de equipamentos ou até mesmo com itens que você mesmo pode criar, como garrafas com arroz e feijão.

Além de gerar saúde física, se movimentar pode ser bom para a sua mente, devido à sensação de bem-estar que muitas atividades proporcionam. Mas é importante lembrar que esse não é o momento de exagerar e fazer treinos superpesados. Opções como alongamento e ioga, por exemplo, são ótimas para fazer diariamente.

8. Reconheça que você está fazendo o que está ao seu alcance

O sentimento de impotência diante de uma pandemia mundial também pode ser comum. Tenha em mente, porém, que você está fazendo tudo o que está ao seu alcance caso esteja em casa (para aqueles que podem), mantendo a higienização das mãos e do ambiente, e conscientizando aquelas pessoas próximas a você sobre a importância dos cuidados contra a proliferação do novo coronavírus.

Para quem tiver condições, fazer o bem àqueles que estão em situações mais vulneráveis também pode ser uma forma de cuidar da própria saúde mental na quarentena. Muitos lugares estão aceitando doações em dinheiro ou em alimentos, por exemplo. Mesmo sem condições financeiras, atitudes como ir ao mercado para idosos próximos podem salvar vidas sem te custar nada. Aproveite para compartilhar o que fizer nas redes sociais e com isso inspirar outras pessoas a participarem de uma corrente de solidariedade!

9. Não minimize o que você está sentindo

Pessoas que não têm transtornos de ansiedade podem não conseguir identificar ou nomear facilmente pelo que suas mentes estão passando. Por isso, é importante sempre tentar conversar com pessoas próximas sobre como você está se sentindo. Seja honesto com todos e, principalmente, com você mesmo. Tente dar nome ao que sente, não tenha medo de falar em voz alta que está com medo, por exemplo, ou se sentindo triste e solitário. Como falamos, tudo bem não estar bem, ainda mais em um momento extraordinário como este que estamos passando. 

10. Identifique o que te faz sentir bem

Da mesma forma que você deve ficar de olho e não ignorar quando não estiver bem, é preciso identificar quais são as atividades, as pessoas e os momentos que te trazem felicidade em meio à quarentena. Ficar em casa, sem contato com pessoas que amamos, pode parecer assustador para muitos – e até insuportável com o passar do tempo – mas é importante focar também no que você pode fazer para se manter bem. Dê valor às atividades de lazer prazerosas que podem continuar dentro de casa e não deixe de incluí-las no seu dia a dia.

11. Acompanhe o trabalho dos seus ídolos nas redes sociais

Muitos artistas dos mais diversos ramos estão tomando iniciativas para fazer com que o isolamento social seja mais divertido. Shows, leituras de textos de peças teatrais e de literatura, conversas e debates são algumas manifestações artísticas e culturais que acontecem diariamente nas redes sociais.

Procure por músicos, autores, atores e outros artistas que você goste para começar a acompanhá-los na internet. Ter acesso a essa programação e curtir as apresentações virtuais também pode ser uma forma de cuidar da saúde mental na quarentena.

12. Baixe aplicativos grátis para cuidar da saúde mental na quarentena

A tecnologia pode ser uma boa aliada para além das plataformas de comunicação. Existem muitos aplicativos gratuitos para quem quer começar novos hábitos, montar uma rotina saudável ou controlar os sintomas de ansiedade. Os apps de meditação diária e aulas de ioga, por exemplo, podem ser usados até mesmo por quem nunca praticou nenhuma das duas atividades.

Além disso, com a ajuda dos aplicativos, também dá para monitorar vícios ruins para transformá-los em novos hábitos, buscar ajuda em um momento como ataques de ansiedade ou de pânico, e ainda aprender a comer melhor, beber mais água e ter boas noites de sono. 

13. Procure apoio psicológico online

Terapia online é uma das saídas encontradas por pessoas que já tinham atendimento de psicologia ou psicanálise e tiveram que interromper as sessões presenciais por causa da pandemia do novo coronavírus. As mesmas plataformas usadas para falar com amigos e familiares podem ser úteis no momento da semana de encontrar o profissional de saúde. 

Para quem nunca fez terapia ou não estava com atendimentos presenciais antes da quarentena, também é possível procurar iniciativas de psicólogos que estão atendendo pessoas especificamente por causa do COVID-19. Aplicativos de saúde como o ZenKlub e o bem.care oferecem terapia online com preços especiais durante a pandemia de coronavírus, e muitas redes solidárias também estão se formando localmente, por isso vale ficar de olho nas iniciativas da sua cidade caso precise de apoio psicológico gratuito ou mais acessíveis!

Já começou a cuidar da sua saúde mental na quarentena? Conte para nós sobre a sua experiência!

Equipe Dono do Negócio

O Dono do Negócio é um blog feito pela SumUp para te ajudar a vender melhor.