Como começar a vender por delivery sem gastar muito

Mesmo sem aplicativos é possível aceitar pedidos de clientes e entregar os produtos em domicílio sem desembolsar muito com o serviço
20 de abril de 2020LEITURA DE 12 MIN

Em muitas cidades brasileiras, o comércio considerado não essencial está de portas fechadas como medida para tentar diminuir a disseminação do novo coronavírus. E para os estabelecimentos que não podem atender o público pessoalmente, o delivery passou a ser uma estratégia para continuar vendendo mesmo em meio à pandemia.

Se a entrega em casa ficou popular com o setor de alimentação – desde os disk pizza aos recentes aplicativos de delivery – hoje é possível usar essa solução para os mais diversos mercados além de comida. Dá para pedir remotamente e receber em casa produtos como remédios, roupas, sapatos, itens para pets e até compras em mercados, quitandas, empórios e mercearias. 

Nem sempre, porém, o valor da taxa de comissão dos aplicativos de delivery, como Rappi, Ifood e UberEats, que estão sendo muito usados atualmente, compensam para o pequeno empreendedor. E a alternativa é começar a realizar entregas por conta própria, com meios de transporte mais em conta quando possível. 

A lista de vantagens para quem tenta implementar um sistema de delivery mais barato do que os oferecidos por aplicativos também inclui a possibilidade de repassar a economia para os clientes do negócio. Sem gastar muito com aplicativos ou outros processos da entrega, o pequeno empreendedor consegue cobrar pouco pelo serviço ou até mesmo colocar esse gasto no preço dos produtos para oferecer frete grátis e atrair mais consumidores. 

Vai começar a vender por delivery? Confira 6 dicas para não gastar muito com o serviço:

1. Comece com uma área de entrega pequena

Se o seu negócio nunca trabalhou com o sistema de delivery, vale começar a fazer entregas em pequenas  e próximas regiões, como o bairro onde mora ou onde a empresa está localizada. Isso evitará o custo de grandes deslocamentos, tempo no transporte e ainda poderá agilizar o processo de produção e entrega. 

Começar com uma área pequena também é uma boa forma de testar se o serviço oferecido dá certo antes de expandir a entrega. Analise o número e a frequência de pedidos que recebe. Muitas vezes, é possível perceber se há demanda em outros locais quando os clientes começam a pedir de fora da pequena área de delivery inicial. Neste caso, sempre responda que a ideia é ampliar o raio de entrega para que o consumidor não desista de comprar na sua empresa.  

2. Realoque funcionários

Na crise como a que estamos vivendo por causa da pandemia do novo coronavírus é preciso se reinventar para continuar funcionando mesmo de portas fechadas e em tempo de distanciamento social. Algumas empresas que têm processos que funcionam à distância permitiram que seus funcionários trabalhem de casa, por exemplo. 

Já para quem nunca ofereceu delivery para os clientes e não quer gastar muito com as taxas dos aplicativos, também é possível adotar a realocação de funcionários. Se você tem um pequeno restaurante de bairro, tente colocar um trabalhador de outra área, como o garçom ou o caixa, para fazer pequenas entregas pela região.

Esta é uma forma não apenas de adotar o delivery, como também de manter o emprego de funcionários. Lembre-se apenas de treinar e manter os trabalhadores atualizados sobre os protocolos de distanciamento social e de higiene, como forma de evitar a disseminação do novo coronavírus. 

3. Utilize transporte próprio

Para quem não quer adotar o sistema de aplicativos de delivery, uma estratégia essencial para economizar é escolher transportes baratos ou gratuitos, como a bicicleta. Fazer entregas com uma bike não tem custo algum além do próprio serviço. Não é necessário gastar com combustível nem perder muito tempo com qualquer possibilidade de trânsito.

Se entregar os pedidos dos clientes com uma bicicleta não faz parte da realidade do seu negócio, ou se você estiver pensando em adotar longas distâncias, é preciso fazer as contas para descobrir quanto custará usar um meio de locomoção próprio como carro ou moto. Coloque na ponta do lápis todos os possíveis gastos com esses transportes e, com base nisso, determine até qual local da sua cidade vale a pena aceitar pedidos. 

Outra opção é contratar uma empresa ou um funcionário exclusivo para as entregas. Desta forma, os custos e despesas com o serviço serão mais centralizados no trabalhador ou na companhia que você contratar. Pesquise as melhores opções do mercado atualmente para conseguir economizar ao máximo na hora de começar a vender por delivery.

4. Receba pedidos por mensagens e redes sociais

É preciso definir por quais canais o cliente poderá fazer um pedido para o seu negócio. Pensando em facilitar a vida do usuário, aplicativos de mensagem como o WhatsApp e o próprio chat de redes sociais como Instagram e Facebook são formas rápidas de contato. Caso você decida abrir esses meios de comunicação para receber pedidos, lembre-se de checar as caixas de mensagens com uma boa frequência. 

Além de conferir os pedidos, é indispensável responder os clientes. Muitos também poderão usar os canais de comunicação para tirar dúvidas e pedir informações sobre o produto, então, quanto mais rápido você responder, maiores são as chances de conseguir concretizar uma venda! 

5. Se prepare para atender bem

Dependendo do tipo e do tamanho do seu negócio, as entregas serão grande parte do dia a dia da empresa. É importante fazer um bom planejamento para entender quantos pedidos você pode aceitar por dia com a certeza de que dará conta de entregar para os clientes. Aceitar mais do que consegue fornecer pode trazer consequências muito negativas para a empresa, já que, quando insatisfeito, o consumidor pode não voltar a fazer negócio com você. 

O bom atendimento para quem oferece serviços de delivery inclui a pontualidade e o cuidado com os produtos no momento da entrega. Ainda que a ideia seja pagar pouco ou nada para vender por delivery, é indispensável se preocupar com os detalhes para não perder clientes. 

Muitos aplicativos têm a opção de o cliente entrar em contato com o entregador ou com o estabelecimento durante o processo de entrega. Ao escolher começar a vender por delivery sem gastar muito também é importante pensar no meio de comunicação que você irá oferecer ao cliente durante o processo. Aplicativos de mensagem como o WhatsApp e o próprio telefone da empresa devem ser facilmente encontrados pelos consumidores para que eles possam entrar em contato quando necessário. 

6. Reforçe a segurança (entrega sem contato)

Além de saber vender por delivery sem gastar muito é importantíssimo reforçar as medidas de segurança e higiene em meio à pandemia. Se você vai entregar produtos nas casas dos clientes por conta própria, não se esqueça de adotar as melhores práticas contra a disseminação do novo coronavírus.

Faça entregas sem contato deixando os pedidos em frente à residência dos consumidores ou na portaria dos prédios; higienize as mãos antes e depois da entrega e peça ao cliente para fazer o mesmo – ele também deve descartar as embalagens. 

Caso outra pessoa seja responsável pelas entregas no seu negócio, certifique-se de escolher uma empresa ou funcionário atento às normas de segurança durante a pandemia, afinal, é o nome do seu negócio e a segurança dos seus funcionários e clientes que estará em jogo. 

A sua empresa já adotou o sistema de delivery por causa da pandemia do novo coronavírus? Conte para nós a sua experiência!

Equipe Dono do Negócio

O Dono do Negócio é um blog feito pela SumUp para te ajudar a vender melhor.