Serviços essenciais: como cuidar do seu negócio em meio à pandemia

Vai continuar aberto? Saiba quais são os cuidados essenciais para proteger os seus clientes e funcionários do novo coronavírus
13 de abril de 2020LEITURA DE 15 MIN

Com a pandemia de COVID-19, declarada pela Organização Mundial da Saúde, muitos países fecharam o comércio não essencial para que as pessoas fiquem em casa, como medida para evitar o contágio e a disseminação do novo coronavírus. Muitas cidades e estados do Brasil adotaram essa estratégia, onde apenas estabelecimentos como mercados, padarias, farmácias e pet shops estão com permissão para continuar atendendo clientes pessoalmente.

Se você tem um negócio ou presta serviços essenciais (confira as normas da sua cidade), é indispensável que se mantenha informado sobre o vírus para tomar as melhores medidas de precaução contra a doença. Isso porque, além de proteger clientes e funcionários, as empresas que continuam recebendo consumidores pessoalmente também são importantes agentes na batalha para diminuir a disseminação do coronavírus.

Higienizar com frequência o ambiente, disponibilizar álcool em gel 70% para clientes e funcionários e não permitir aglomerações são algumas das medidas básicas para quem vai atender o público em época de coronavírus. Mas outras ações podem complementar o combate à doença, como orientar os trabalhadores do seu negócio, priorizar o pagamento com cartões de crédito e débito e até adotar o atendimento remoto, com entrega ou retirada dos produtos. 

Seu negócio está aberto ao público durante a pandemia? Confira 13 medidas para prevenir a disseminação do novo coronavírus:

1. Mantenha-se informado

Se você é dono de um negócio que continuará aberto mesmo durante a quarentena contra o coronavírus, é indispensável que se mantenha informado. Conhecer os detalhes da doença – como a forma como ela é transmitida e quais são os sintomas – e acompanhar o número de casos na sua cidade é importante para conseguir tomar as melhores decisões de prevenção. 

Lembre-se que você e seus funcionários estarão em contato com os clientes, e por isso são parte essencial da tentativa de frear a disseminação da doença. Busque se informar por veículos oficiais e jornais de confiança. Neste momento, a desinformação em aplicativos de mensagem como o WhatsApp pode não apenas não ajudar no combate ao COVID-19, como atrapalhar aqueles que estão na linha de frente.

2. Treine os funcionários

A maioria dos estabelecimentos essenciais, como farmácias e mercados, têm pelo menos um funcionário. Por isso, quando você, dono do negócio, está bem informado e conhece todos os protocolos dos órgãos de saúde contra o COVID-19, deve passar essas informações para as pessoas que trabalham na sua empresa.

Faça um treinamento focado nos protocolos de higienização pessoal e do local de trabalho. É importante que o funcionário também saiba exatamente como deve proceder no atendimento ao cliente, mantendo a distância necessária e evitando aglomerações com rapidez.  

3. Oriente os consumidores

Passar informações básicas para os clientes que vão até o seu negócio durante a pandemia é uma boa estratégia de prevenção. Coloque cartazes sobre as medidas que cada um deve tomar para evitar a disseminação do coronavírus, como espirrar ou tossir levando a mão ao antebraço ou usando um lenço descartável, usar álcool em gel para higienizar as mãos fora de casa, e evitar tocar olhos, nariz e boca sem lavar as mãos. 

4. Seja rigoroso com as medidas de higiene

Se ainda faltam muitas informações sobre o novo coronavírus, sabemos que lavar bem as mãos é uma das mais eficazes formas de prevenção. Por isso, água e sabão são indispensáveis também para quem está lidando com o público. 

É importante que a lavagem das mãos dure pelo menos 20 segundos e seja completa, incluindo dedos, unhas, punho, palma e o dorso. O álcool gel 70% pode ser um substituto quando não for possível parar para ir até a pia.

As superfícies do negócio aberto ao público durante a pandemia também devem ser frequentemente higienizadas. A água sanitária é um dos produtos mais eficazes para desinfetar as áreas. Respeite as regras de diluição de cada marca especificadas no rótulo. 

5. Não permita aglomerações

Dentro do seu negócio, proíba qualquer tipo de aglomeração, seja de clientes ou de funcionários. De acordo com o infectologista Fellipe Godoy, estabelecimentos muito cheios podem aumentar o risco de transmissão devido à proximidade entre as pessoas. Uma solução simples é demarcar posições em lugares como o caixa, para que todos mantenham uma distância de pelo menos 2 metros enquanto esperam. Avalie também a necessidade de controlar a entrada dos consumidores e de orientar que todos façam compras individualmente.

6. Disponibilize álcool em gel

O álcool em gel 70% é usado para higienizar as mãos quando não é possível lavá-las com água e sabão. Por isso, tenha sempre o produto disponível em seu estabelecimento tanto para os funcionários quanto para os clientes. Posições estratégicas para deixar o álcool incluem a região do caixa e a entrada do local.

7. Proteja o caixa

Falando do local de pagamento, é importante tomar medidas que possam distanciar o funcionário responsável pelo caixa do cliente que vai pagar sua compra. Muitos lugares adotam uma placa de acrílico, por exemplo. Em estabelecimentos como supermercados e grandes farmácias, o caixa será o local no qual o funcionário estará mais próximo do consumidor, por isso as medidas de prevenção não podem faltar. 

8. Tenha cuidado com as maquininhas

Por serem manuseadas pelos funcionários do seu negócio e também pelos clientes, que devem colocar a senha para pagar as compras, é importante saber como limpar a máquina de cartão. Aposte na higienização frequente do objeto e oriente os funcionários a passarem álcool em gel ou lavarem as mãos (quando possível) a cada venda. Além disso, é possível embalar as maquininhas de cartão com uma camada de plástico filme para facilitar a limpeza. Não se esqueça, porém, que isso não impede que o vírus esteja presente. 

9. Priorize pagamentos com cartão

Ainda sobre o momento do pagamento das vendas, uma das ações que podem ajudar de forma eficaz no combate ao COVID-19 é priorizar as transações com cartões de crédito ou de débito no seu negócio. Isso porque as cédulas de dinheiro, que podem carregar o vírus, serão obrigatoriamente manuseadas pelo cliente e, logo em seguida, funcionário do caixa.

No caso do cartão, é possível não apenas usar a tecnologia NFC de aproximação – que permitem o pagamento sem a senha quando o valor for menor que R$ 50 e dispensa que o cliente insira o cartão ou até mesmo pague sem ele – como também permitir que seja o próprio consumidor a colocar o cartão na maquininha e a retirá-lo depois de informar a senha.

10. Garanta o abastecimento

Muitos dos negócios que permanecerão abertos durante o período de isolamento social são os considerados essenciais, que incluem a venda de produtos como alimentos,  medicamentos e itens para os pets (as regras podem mudar de acordo com as cidades e estados).

Por isso, saber como gerenciar o estoque na crise também deve ser uma prioridade do dono do negócio. Considere que as pessoas já irão se deslocar de suas casas até o estabelecimento, e podem apenas correr o risco de contaminação do novo coronavírus se não encontrarem o produto e precisarem ir a outro local. 

Além disso, garantir o abastecimento em empresas do ramo de alimentação e saúde, como os mercados e as farmácias, também ajuda a tranquilizar a população quanto à necessidade de estocar produtos em casa. 

11. Cuide da saúde de seus funcionários

A saúde de seus funcionários também precisa ser prioridade e vai além do treinamento sobre como atender os clientes e manter a higienização das mãos e do ambiente. Não mantenha trabalhadores com suspeita de COVID-19 ativos, e evite exigir que eles procurem atendimento médico apenas para apresentar um atestado – além de não terem grande capacidade de atendimento em meio à pandemia, os hospitais são lugares onde é mais fácil contrair o vírus.

Em um momento de pandemia global, é importante ser claro com os trabalhadores do seu negócio quanto às políticas de afastamento com base não apenas nas decisões do governo sobre a manutenção dos empregos durante a crise, como também nos protocolos de saúde que podem incluir quarentena obrigatória por até 14 dias. Ser flexível quanto às necessidades de o funcionário ter de cuidar de entes das famílias também é importante.

12. Receba pedidos remotamente e faça entregas

Uma medida muito adotada para cuidar das finanças na pandemia também pode ser uma solução para ajudar a diminuir a disseminação do vírus: o atendimento remoto e o delivery. Caso seja possível, comece a receber pedidos de clientes pelo telefone, WhatsApp ou até aplicativos.

Essa ação evita que pessoas saiam de suas casas, incluindo aqueles que estão no grupo de risco, como idosos e portadores de doenças crônicas. Você pode tanto adotar o sistema no qual o cliente faz o pedido de casa e vai ao local apenas para retirar os produtos quanto oferecer a opção de entregar diretamente na casa do consumidor, com entregadores próprios ou por aplicativos de delivery.

13. Quando possível, libere o trabalho remoto 

Em muitos tipos de negócios, os setores administrativos podem continuar funcionando sem a necessidade de o funcionário ir até o estabelecimento. Adotar o trabalho remoto neste caso e em situações semelhantes pode evitar a disseminação do vírus e o contágio do próprio trabalhador.

Caso você tenha áreas que não precisem de muita estrutura para funcionar, que precisem basicamente do acesso à internet e de um computador, por exemplo, essa pode ser a melhor solução para diminuir o impacto do coronavírus no seu negócio e para proteger clientes da doença.

O seu negócio está aberto ao público? Conte para nós quais medidas de proteção contra o vírus você está tomando!

Equipe Dono do Negócio

O Dono do Negócio é um blog feito pela SumUp para te ajudar a vender melhor.